Thursday, January 17

Inferno #200: segredo.

Em alguns (poucos) dias, sinto um desejo sincero, mas culpado (quase inconfessável): Quero que a poesia se f*da!

10 comments:

mariana said...

E já cá cantam duzentos inferninhos...
Vá...Parabéns!!!

Francisca C. said...

:D Obrigada

amelinha said...

tou contigo.
Poesia pró c****

Anonymous said...

A mim dá-me vontade de dizer isso mas é aos racionais, àqueles que têm uma explicação lógica para tudo, onde à luz da -sua?!- razão encontram sempre um sentido coerente para tudo. A esses, aos práticos, aos lógicos, aos racionais, aos metódicos, aos que julgam ser imunes a devaneios, a esses... não consigo dizer «que se f...» mas apetece-me dizer-lhes «que se f...», porque eles não encontram o lado poético das coisas, um poema torna-se um acto de insanidade, bonito mas, imaturo, infantil.. «ainda acreditas nessas coisas?» apetece dizer a esse(a)s vai-te f... mas não posso... porque é uma dessas que me prende, que me mantém num devaneio e que não me percebe. Só me percebo e sei que estou são porque a poesia existe, só ela interpreta, explica, o que não se percebe, o que se sente...
fran

franksy! said...

Olá Francisca!
Gosto do teu nome! ;)
Fiquei curiosa com o teu blog!
Mais tarde virei cá vasculhar isto tudo, sim?!
beijinho!

Francisca C. said...

amelinha: Lool.

fran(cisco): (...). E, sim, por vezes a poesia é um acto de insanidade. Não digo que não a ame, só a odeio de vez em quando, e só um bocadinho.

franksy:sim! À vontade :)

Helio Lambais said...

Nossa.... deixe a poesia quietinha naquele canto que vc quase não vai durante o dia....

Bjus

Francisca C. said...

Lol. É só em algs dias...

cartadosahba said...

gosto do "iconicismo" da tua escrita :)

Francisca C. said...

:)
Obrigada pela visita!