Monday, April 28

Inferno #215: Morrer aos bocados.

Lia coisas terríveis nos jornais e já andava a comer mal há semanas. Já não estava com amigos há meses, já não respirava ar que não fosse contaminado. Nem sonhava, nem sorria. Andava preocupada com coisas que não conseguia resolver e atormentada com um amor não correspondido de há um ano atrás. Pareceu-lhe bastante natural quando, um dia, caiu na calçada e deixou de respirar. Afinal o que andava ela a fazer há meses, se não a morrer aos bocados?

4 comments:

Tinta no Bolso said...

estamos todos.uns mais depressa do que outros. uns mais conscientes do que outros.

Anonymous said...

É a única maneira de morrer com prazer: Morrer de amor. Mas será que mata mesmo?, eu pelo menos tenho sobrevivido sempre, depois pergunto: Como foi possível?!?!
(se não é correspondido há um ano, então também já não vai ser)
Francisco

Lucas said...

Um poeminha do bukowski q eu gosto muito e q vivo repetindo pras pessoas:

Oh, yes
.
there are worse things than
being alone
but it often takes decades
to realize this
and most often
when you do
it's too late
and there's nothing worse
than
too late.

Charles Bukowski

Francisca C. said...

Tinta no bolso: verdade, verdadinha

Francisco: O Amor mata, durante um tempo. Depois de morrermos, pegamos em Amor e voltamos a viver.

Lucas: Ah ah ah... Boa moral...